PRÁXIS Reflexão e Debate sobre Trabalho e Sindicalismo
Sindicalismo, Direitos Laborais...

A sindicalização cresce graças aos avanços sociais e salariais

Partilhar

A sindicalização cresce graças aos avanços sociais e salariais

É o objeto deste muito interessante texto. Publicado pela revista progressista online PÚBLICO (www.publico.es ), é da autoria do jornalista Eduardo Bayona.

A leitura deste artigo encoraja-nos com a sua mensagem positiva e aguça a nossa capacidade de compreender a questão da sindicalização e a sua transparência democrática e ajuda-nos a avaliar a realidade portuguesa, a questionar a falta de transparência e de debate sobre o tema.

Aproxima-se o XV Congresso CGTP que terá lugar nos dias 23-24 de Fevereiro, e como é costume, nessas alturas, os meios de comunicação irão falar muito sobre a questão da sindicalização. A própria CGTP irá publicar os números de novos sindicalizados nos seus sindicatos, mas, muito provavelmente, como de costume, sem apresentar o balanço das entradas e saídas que permitiria perceber se está a crescer ou a decrescer.

Não será muito diferente do que tem sido com a UGT, ela própria anunciando em congressos passados aumento de membros e reforços, sem apresentar números verificáveis de admissões e desistências.

Em suma, eis um bom contributo para a reflexão caseira, para um debate necessário e cada vez mais inadiável. A defesa e reforço da democracia passa por aí mesmo.

As cinco maiores centrais sindicais conquistaram quase 60 mil filiados em dois anos, com avanços claros nas áreas das mulheres e da juventude e para quebrar a tendência histórica de desmobilização em períodos de prosperidade económica e estabilidade no emprego.

“Os trabalhadores estão a aderir novamente e os sindicatos voltaram a estar presentes. O SMI (Salário Mínimo Interprofissional) aumentou 52% desde 2018 e foram adoptadas medidas anti-inflação, o que significou um reforço dos sindicatos. Se se percebe que o seu trabalho serve para melhorar a vida dos trabalhadores, a adesão é encorajada”, diz David Moral Martín, sociólogo e professor da Faculdade de Ciências Sociais e do Trabalho da Universidade de Saragoça.

Seja por estas razões, ou por estas e outras, a verdade é que a filiação sindical está a atravessar uma fase de animação em que a militância das cinco principais centrais sindicais espanholas registou um aumento de quase 60.000 pessoas em dois anos, desde o final de 2021 até 2023.

Os dados, fornecidos pelas próprias centrais sindicais, refutam alguns dos mantras da opinião publicada, como o da suposta crescente desmobilização social ou a sua expansão entre os jovens e as mulheres, cuja militância está a crescer, e revelam também uma tendência oposta à do tradicional declínio da atratividade deste tipo de organização em tempos de prosperidade económica e estabilidade de emprego como o atual.

Os dados fornecidos pela CCOO, UGT, CSIF, USO e CGT refletem um aumento de 70.078 militantes em três anos, desde a pandemia, que quase não afetou a adesão apesar da derrocada do emprego atenuada pelas ERTEs [uma espécie de lay off] e até registrou aumentos nos casos da UGT e CSIF, e de 58.480 nos dois últimos, os da fase de taxa de emprego histórica em Espanha desde a implementação da reforma laboral de 2021.

Os 2,44 milhões de membros destes cinco sindicatos excedem de facto 2,5 por uma larga margem e estão mais próximos de 2,6, uma vez que as CCOO [Comissiones Obreras] deduzem 155.000 membros que não pagaram as suas quotas durante todo o ano, seja devido a demissão voluntária, reforma ou outras razões.

A este número juntam-se os dos três grandes sindicatos regionais, ELA-STV e LAB, no País Basco e Navarra, e CIGA, na Galiza, que juntos somam cerca de 230.000, e o resto das organizações sectoriais e locais, o que faz com que a filiação sindical ultrapasse os três milhões de trabalhadores: um em cada sete empregados está filiado num sindicato, seja ele de classe ou profissional.

Doze vezes mais militantes do que na agitada política

Este nível de adesão é elevado, médio ou baixo em termos relativos no contexto europeu? Esta é uma pergunta difícil de responder, uma vez que quase não existem dados comparáveis sobre a filiação sindical a nível da UE.

No entanto, um dos últimos estudos sobre o assunto, publicado pela Fundación 1º de Mayo, colocava a Espanha há seis anos acima da média e como o sexto país (quinto após o Brexit) nesta área, atrás apenas da França, Suécia, Itália, Reino Unido e Alemanha.

Foi também um dos únicos oito países da UE em que a filiação sindical teve um saldo positivo no período 2010-2017, que inclui os anos mais difíceis da crise pós-bolha [crise da Zona Euro] e o início da recuperação.

Um outro fato é marcante em Espanha: a desproporção entre as magnitudes da militância sindical e da militância política e a projeção de agitação entre estratégias para condicionar a agenda do debate público que uma e outra geram.

Na colheita fiscal do IRPF [Imposto sobre o rendimento das pessoas singulares] de 2021, a última com dados disponíveis, 2,047 milhões de trabalhadores declararam o pagamento de quotas sindicais no valor de 286,5 milhões de euros, valor que multiplica por doze o dos 280.741 militantes partidários e por mais de 50 as suas 5,47 contribuições, cuja média é, por outro lado, sete vezes inferior (140 euros por 19).

Para explicar o aparente desequilíbrio de um milhão de membros, seria necessário calcular quantos deles não são obrigados a apresentar declarações de IRS porque não pagam o mínimo exigido e quantos não declaram esses pagamentos porque não sabem que são dedutíveis no imposto.

A equação é completada pelos 711.965 membros das associações profissionais, cujas quotizações totalizaram 174,48 milhões de euros em 2021.

A complexidade das reformas e o reforço do coletivo

Quase não existem estudos sociológicos sobre a sindicalização e as relações laborais, embora a sua investigação tenha dado origem a algumas teorias que explicam alguns dos seus aspectos.

Uma delas é a teoria da ação, que agrupa a posição dos trabalhadores nos conflitos sociais em dois grandes blocos: voz ou protesto, e saída ou ficar de fora.

“A adesão depende muitas vezes do facto de a estratégia da voz ser adequada ou de a única solução ser a saída”, explica Francesco Marcaletti, professor de Sociologia do Trabalho na Universidade de Saragoça.

“Quando o ciclo económico é positivo e quando há governos que activam reformas que melhoram a qualidade de vida dos trabalhadores, a filiação tende a cair porque a voz é considerada desnecessária quando se percebem aspectos positivos e os trabalhadores consideram que a saída é mais adequada, enquanto no caso contrário é mais fácil optarem pela estratégia de voz”, explica.

O cenário atual de um ciclo económico em alta e de reformas favoráveis aos trabalhadores seria de desativação e não de mobilização, mas está a acontecer o contrário. Marcaletti nota nuances interessantes nesta tendência: “Por um lado, o grande número de reformas acrescentou elementos de complexidade que fazem com que os trabalhadores precisem de apoio para se adaptarem, e aqui o sindicato é visto como algo que pode ajudar. Por outro lado, estas reformas trouxeram de volta o reforço do coletivo em oposição à individualização da precariedade”.

Factores que favorecem a sindicalização

Ao mesmo tempo, acrescenta, “as reformas afectaram amplas camadas de trabalhadores e beneficiaram particularmente os sectores mais desprotegidos e individualizados, como os trabalhadores domésticos, cuja relação de trabalho é muitas vezes extremamente solitária”.

Para além destes factores que favorecem a sindicalização, há três outros. Um é a visibilidade acrescida do trabalho sindical com a ligação entre os acordos de diálogo social e a chegada dos fundos europeus.

Os outros dois são de carácter estruturais, nota o professor. Um é o aumento do emprego, com mais 1,4 milhões de pessoas empregadas entre o verão de 2019 e 2023 e uma estabilização que posiciona o consumo privado como motor económico. A outra é o envelhecimento da população empregada, com 3,4 milhões de trabalhadores (18,7%) com mais de 55 anos, o que aumenta o volume potencial de membros, porque vêem o sindicato como “um recurso para gerir melhor a sua transição”.

A segunda teoria é a do comportamento de interesse, segundo a qual a adesão ao sindicato pode ser decidida “porque se vê uma vantagem, um benefício, mas não por convicções ideológicas ou outros factores”.

Mulheres, jovens e estrangeiros

Este aumento da população ativa, que é particularmente forte entre as mulheres, coincide com outro aumento da adesão, que no caso da CCOO atingiu 13.500 em dois anos, ultrapassando 47% do total. Na UGT, é superior a 40%.

“Há um dado muito significativo, que é o crescimento da adesão das mulheres. Metade do aumento está a acontecer entre as mulheres”, afirma Agustín Martín, secretário da Organização CCOO, que aponta duas causas: “A sua maior presença no mercado de trabalho e o intenso trabalho que o sindicato está a desenvolver em matéria de igualdade”.

“No último ano, assistimos a um crescimento em todos os sectores, exceto na administração. Houve alguma melhoria entre os jovens, que é um sector que queremos influenciar”, diz Martín, que defende “um esforço de comunicação com as pessoas que estão a entrar no mercado de trabalho para lhes mostrar a utilidade dos sindicatos numa altura em que a digitalização e a automatização estão a mudar tudo”.

Os dados da UGT reflectem a existência de nichos poderosos de adesão em áreas como os trabalhadores estrangeiros (3,75%), que já cobrem quase um quinto do emprego a nível nacional, e entre os menores de 35 anos, que já representam 9,46% da militância, embora entre os trabalhadores assalariados atinjam 26,5%.

E os sindicatos vivem das suas quotas? O mais provável é que sim. 83% dos fundos que a CCOO gere, 160 milhões, são recursos próprios, aos quais se juntam 5,85% de ajudas públicas e outros 11,74% provenientes de concursos de programas finalistas das administrações.

“O que o PP e o Vox estão a propor quando criticam a ajuda aos sindicatos é, na realidade, retirar programas específicos para grupos desfavorecidos, como as mulheres vítimas de violência ou as pessoas vulneráveis”, esclarece Martín.

Eduardo Bayona, Saragoça 27/01/2024 22:07

O PUBLICO autorizou a publicação no site da PRAXIS; o texto original contém gráficos não traduzidos; o original pode ser acedido em https://www.publico.es/economia/afiliacion-sindicatos-crece-calor-avances-sociales-salariales.html e contem multiplos links úteis para informação mais completa.

Traduzido com a versão gratuita do tradutor – www.DeepL.com/Translator
Revisão: Reinhard Naumann


Partilhar

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Lear mais..