PRÁXIS Reflexão e Debate sobre Trabalho e Sindicalismo
Sindicalismo, Direitos Laborais...
burn-out militante.

O burn-out militante. 

Pensamentos sobre não ser consumido pelo fogo militante

Partilhar

Bang

Por Simon Cottin-Marx – publicado originalmente no site Mouvements des idées et des luttes em – MOUVEMENTS.INFO

 

 

Este artigo, destinado a um público ativista, oferece uma breve síntese do trabalho sobre “burn-out militante”, que podemos traduzir como “esgotamento ou exaustão militante”. Procura responder a duas questões principais. O que é  esgotamento militante  ? Como garantir que os indivíduos que se comprometem não sejam consumidos por seu compromisso e possam continuar a (tentar) mudar o mundo sem prejudicar a sua saúde? Após um trabalho de definição, enfatizando as especificidades do trabalho ativista, esta contribuição traça algumas propostas para tentar evitar este fenómeno, cujas causas são em grande parte organizacionais.  

Em junho de 2019, a ativista Anaïs Bourdet decidiu fechar a página do Tumblr “Paye ta Shnek” (PTS), que dirigia há sete anos, onde juntava depoimentos de mulheres vítimas de assédio na rua. Em entrevista concedida ao jornal Liberation , ela explica que, após novos ataques machistas que presenciou e sofreu, não tem mais forças para continuar. Seu limite de tolerância, diante da impossibilidade de mudar a realidade, foi atingido:  “Não acreditei que fosse resolver o problema do assédio com o PTS, mas o fato de não observar melhoras é o tipo de coisa que causa você sentir-se esgotada. »1 

Um mês depois, um grupo de feministas contra o cyberbullying testemunhou a mesma exaustão. Os cinco voluntários explicam que já não conseguem apoiar as vítimas que os solicitam e criticam a passividade do Estado face a este assunto. Um comunicado de imprensa no Twitter, acompanhado da hashtag #payetonburnoutmilitant . Várias ativistas, veiculadas pela mídia, abordaram o assunto, principalmente no âmbito feminista.2. Ativistas como Rokhaya Diallo, Alice Coffin ou Caroline de Haas compartilham suas experiências para evitar o “esgotamento militante”. Alguns coletivos documentam o assunto, constroem expertise e desenvolvem métodos para sair dele ou evitá-lo. Abordagens semelhantes a iniciativas internacionais preexistentes semelhantes3. Sem ser exaustivos, podemos citar o grupo “Activist Trauma Support” ativo no Reino Unido entre 2004 e 2014, o “Ulex project” criado em 2008 na Catalunha, a rede transnacional “Support and Recovery”, ou a ONG Amnistia Internacional que , sem ser exemplar4, publica em 2020 o segundo volume de “Salvar o mundo sem desabar: um manual de bem-estar para jovens ativistas“. Esses grupos e organizações não se limitam à questão do esgotamento militante, mas também abordam outros temas de saúde mental, como transtorno de stresse pós-traumático, ataques de pânico etc. que também pode resultar da atividade militante (confronto violento com a polícia, apoio a grupos vulneráveis ou vítimas, etc.). 

Se o burnout já se tornou assunto no meio militante, esse fenómeno não é novo. Como nos lembra o historiador Paul Boulland, codiretor do Maitron, o dicionário biográfico do movimento operário e social, o ativismo político, sindical ou associativo sempre alternou entre momentos de alegria e tristeza militantes, conquistas e derrotas, emergências e inércias , etc O historiador escreve assim que “a Frente Popular ou Maio-Junho de 1968, antes associada a imagens de júbilo, inclui também a sua quota de corpos cansados ​​pelas manifestações, pelos debates ou pelas barricadas. O esgotamento, portanto, participa da experiência sensível da greve, às vezes de forma dramática. »5O compromisso militante, suas esperanças e deceções, às vezes leva à depressão. É o que, por exemplo, descreve Virginie Linhart em seus livros sobre os militantes maoístas dos anos 1970, cujo empenho e aspirações eram totais, assim como as suas desilusões; vários ativistas deixaram lá a sua sanidade. Para alguns, isso pode ter chegado ao suicídio, como evidencia o filme de Romain Goupil, To Die at Thirty Years (1982), que questiona o suicídio de seu amigo Michel Récanati, que passou por várias esquerdas. 

Este artigo, destinado a um público ativista, pretende fazer uma breve síntese do trabalho sobre “burn-out militante”, que podemos traduzir por “exaustão militante”. Procura responder a duas questões principais. O que é esgotamento militante ? Como garantir que os indivíduos que se comprometem, não sejam consumidos pelo fogo militante e possam continuar (tentando) mudar o mundo sem prejudicar sua saúde? 

Definindo o esgotamento dos ativistas 

Para começar, é necessário esclarecer de quem estamos a falar quando usamos a palavra “ativista  . Por trás desse rótulo, designamos pessoas que não se reconhecem necessariamente como tal , mas cujo tipo-ideal responde a vários aspetos. São pessoas que se voluntariam para uma causa política, um projeto de utilidade social ou de interesse geral, dirigido a terceiros. Que fazem parte de um coletivo (associação, sindicato, partido político). Que doam o seu tempo, ou seja, esta atividade não oferece nenhuma remuneração. E, finalmente, que exercem esta atividade livremente, sem obrigação. 

Os militantes profissionais , que obtêm sua renda da atividade militante, por serem funcionários de uma associação, sindicato ou partido político, não se enquadram totalmente nessa definição. Preocupam -se , no entanto, porque também “se comprometem” com a causa, como evidencia a sua tendência para fazer mais do que as horas devidas no contrato de trabalho, para fazer “trabalho voluntário”. 

A noção de “burn-out” foi inicialmente conceituada por Herbert Freudenberger6como um estado crónico de esgotamento profissional, combinando três dimensões, que as psicólogas americanas Christina Maslach e Mary Gomes transpõem sem dificuldade para o universo militante7. O primeiro sintoma para reconhecer um esgotamento é “exaustão física e emocional”. A pessoa se sente esgotada, esgotada  sem ter como recarregar as baterias. Ela não tem energia para enfrentar outro dia ou outro desafio. Ela se sente sobrecarregada, impotente, a ponto de ficar letárgica. O segundo sintoma é uma desumanização das relações interpessoais. Após uma sobrecarga de trabalho, a pessoa se distancia, perde seu idealismo, sua paixão e o entusiasmo que inicialmente alimentava seu compromisso. A pessoa mostra “cinismo” em relação à sua própria ação, mas também à atividade dos outros. Ela pode, portanto, ressentir-se de seus colegas ou colegas de classe por serem mais obstáculos do que apoios. Também pode se transformar em raiva e amargura em relação às pessoas que se beneficiam do ativismo. Finalmente, o terceiro sintoma é uma queda, às vezes total, pelo sentimento de realização profissional; é a “perda de sentido”. As pessoas têm a sensação de serem ineficazes, de não terem conseguido nada. Um sentimento que pode ser alimentado pelo fato de que o trabalho ativista envolve investir no longo prazo, em objetivos que às vezes são difíceis de alcançar. Um desânimo que pode ser alimentado pela falta de recursos suficientes para fazer bem o seu trabalho e pela falta de ajuda e apoio necessários. 

Fatores de risco e prevenção 

As causas do esgotamento são organizacionais. Dizer isso não é negar que a situação familiar, de amizade, económica ou mesmo profissional da pessoa possa contar. Nem que o contexto geral seja neutro: ser vítima de violência policial ou de intimidação por parte de um grupo de oposição pode, obviamente, abalar o moral dos ativistas. Mas é ver como a organização do trabalho militante alimenta o esgotamento. No total, seis fatores de risco, que podem levar ativistas ao esgotamento , foram identificados por pesquisadores que trabalham no tema. Uma grelha de leitura que Christina Maslach e Mary Gomes aplicam ao ativismo. 

Sobrecarga de trabalho e pressão de tempo 

A primeira é a sobrecarga de trabalho, o diferença entre as solicitações do trabalho e a capacidade dos ativistas para lhe responder. Há muito o que fazer e não há tempo ou recursos suficientes para fazê-lo. Esse desequilíbrio leva a um afastamento da vida familiar ou dos períodos de descanso. E como os ativistas se sentem responsáveis pela causa, depositários de muitos testemunhos ou saberes, não é possível parar. Diante do risco de exaustão, Christina Maslach e Mary Gomes recomendam cuidar da saúde e do corpo, descansar o suficiente e encontrar uma forma de relaxar nos momentos difíceis. Propõem-se sobretudo alternar tarefas, passar para atividades menos exigentes (como tratar de papéis, varrer o chão). Ou mesmo libertar tempo, protegidos das solicitações militantes, para que possam descansar e assim poder focar com mais clareza em um objetivo alcançável. O ideal também é, claro, diminuir a carga de trabalho, coletivizando-a, por exemplo. 

 

Controle de trabalho ruim 

O segundo ponto é a divergência entre a responsabilidade do ativista e sua capacidade de tomar decisões. Existe um problema quando o trabalho realizado depende de outros (hierarquias, colegas) e isso leva à ineficiência, reduz a capacidade de controlar o próprio trabalho. Para os pesquisadores, a solução consiste em aumentar a autonomia das pessoas, em construir a confiança que permite isso. 

Recompensas insuficientes 

O terceiro fator que leva ao burnout é o abismo entre o trabalho realizado e a satisfação obtida. Enquanto a autoestima depende muito do reconhecimento do que se conquista, nas lutas protagonizadas pelos ativistas as vitórias são raras. Os pesquisadores aconselham criar oportunidades para se alegrar, para reconhecer as conquistas dos ativistas. Para isso, é possível converter-se a um certo pragmatismo: sem abandonar o objetivo final que só pode ocorrer num futuro distante, buscar conquistas mais exequíveis, mais realistas no curto prazo. É também o que defende o ativista americano Saul Alinsky, um dos “pais” da organização comunitária .8, para quem, na luta, é necessário apostar nas vitórias alcançáveis, nas “pequenas vitórias” (por exemplo, numa luta pelo direito à habitação para todos, contentar-se com o realojamento de uma pessoa) e festejar. 

Perda do sentimento de pertença e apoio social 

O quarto elemento apontado é quando o grupo não cumpre mais o seu papel de suporte, quando as colaborações com as pessoas são insatisfatórias ou quando as relações são hostis. Situação que muitas vezes decorre da não resolução de conflitos. O fato é que em organizações que reúnem pessoas de crenças, os relacionamentos podem ser tensos por causa de divergências quanto ao conteúdo ou à estratégia.9. Conflitos de egos, ou conflitos em geral, nem sempre são resolvidos, e a forma como os ativistas lidam uns com os outros pode ser uma fonte de exaustão. É também uma fonte de afastamento, como mostram os sociólogos Olivier Fillieule e Sébastien Brocca com o caso da associação AIDES, onde um terço das saídas da organização resulta de divergências sobre a organização da associação (relações entre voluntários e funcionários, políticas questões, etc.)10. Para reconstruir os laços de confiança, Christina Maslach e Mary Gomes destacam que é importante que os ativistas se preocupem com as relações entre os indivíduos dentro de suas organizações, até porque o convívio que se cria no quadro ativista é um dos cimentos do compromisso. 

Falta de justiça 

O quinto fator é a distância entre os valores e a prática real da organização. Os ativistas, muitas vezes portadores de ideais (para a sociedade e para o funcionamento de sua organização), são particularmente propensos a se depararem com essa lacuna. No entanto, as pessoas expostas a uma discrepância entre a versão ficcional (seja anunciada, projetada ou esperada) da organização e a realidade das práticas (por exemplo, trabalho militante isolado, condições exaustivas, relacionamentos conflituosos, sexismo) são particularmente suscetíveis de se tornarem cínicas, raivosas e hostil. Christina Maslach e Mary Gomes aconselham a procurar garantir a justiça desenvolvendo políticas e procedimentos claros e transparentes, incluindo medidas para evitar comportamentos destrutivos. 

Conflito de valor 

Finalmente, o sexto e último fator de esgotamento é a lacuna entre o que os ativistas querem fazer e o que eles realmente fazem na prática. Christina Maslach e Mary Gomes dão o exemplo de uma ativista que aprova um certo progresso legislativo, que considera insuficiente, mas que é obrigada a apoiar por estratégia. Ela se vê diante de um conflito de valores que ameaça corroer seu compromisso. 

Especificidades do mundo militante 

A grelha de análise do burn-out , nascida do estudo das organizações empregadoras, mostra a sua relevância para o mundo do trabalho militante (mesmo que o trabalho seja voluntário ou assalariado). No entanto, vários trabalhos de ciências sociais o enriqueceram. 

Cultura do martírio ou auto-sacrifício 

Na sua investigação sobre a justiça social americana e ativistas de direitos humanos, Cher Weixia Chen  e Paul Gorski11destacam que movimentos e organizações alimentam e participam da produção de uma “cultura do martírio” que acelera o esgotamento dos ativistas. É uma dupla dinâmica de auto comprometimento no trabalho militante e auto entrega. Segundo esses pesquisadores, a cultura militante que eles observam é baseada numa “ética do sofrimento” e de “autossacrifício”. Os ativistas não cuidam do próprio bem-estar, pois isso contrariaria o pacto implícito de “abnegação12. 

Esta é uma análise que partilhamos e que não se limita apenas aos ativistas voluntários. Na pesquisa que realizamos entre empregados de associações patronais de pequeno e médio porte, encontramos um fenómeno sacrificial semelhante. Para alguns funcionários, algum trabalho voluntário é desnecessário. “Doam” o seu tempo porque a associação persegue um projeto ao qual aderem: “é por uma boa causa”13. E é ainda mais difícil para eles exigir melhores condições de trabalho. Dedicar tempo para discutir esse assunto, assim como pedir um aumento, por exemplo, levaria o mesmo tempo e dinheiro para a causa.14. 

Lidando com a apatia do público 

O trabalho de Cher Weixia Chen e Paul Gorski também mostra que, para os ativistas comprometidos com a mudança do mundo, a apatia do resto da população, o lento progresso de uma causa que lhes é cara também são fontes de stresse e exaustão. Isso se traduz numa perda do idealismo que antes os levava a se comprometer. E mais do que cinismo, pode levar os ativistas ao desespero e à descrença.Os ativistas não apenas dedicam o seu tempo, mas também as suas emoções. Eles observam que alguns se sentem investidos de uma missão: ainda mais quando desenvolvem uma compreensão do problema e das questões sobre as quais estão fazendo campanha. Quem tem contacto com pessoas vítimas de violência, por exemplo, que ouve muitos depoimentos, pode se sentir protector delas. Um fardo ainda mais pesado de suportar que nada muda. 

Incapaz de cuidar do bem-estar 

Apesar da intensidade de certos compromissos, das consequências emocionais e às vezes físicas do ativismo, poucas organizações abordam esse assunto e se preocupam com o bem-estar dos ativistas. Cher Weixia Chen e Paul Gorski ainda observam que muitas organizações descartam a importância de discutir ou refletir sobre essa questão do esgotamento dos ativistas. Esses pesquisadores observam que feedback e conselhos entre ativistas são raros em suas organizações. Consequentemente, muitas vezes é fora da esfera militante que as pessoas buscam um meio de se reconstruir. É o que faz, por exemplo, este ativista socialista vítima de um esgotamento, conhecido pelo sociólogo Rémi Lefebvre, que “se reconstrói longe da política”15. Nem sempre é fácil, a militância mais intensa tende a fundir as diferentes esferas da vida (profissional e privada – amizade, amor e por vezes até família), limitando assim os lugares e as pessoas com quem recarregar as baterias. No entanto, ainda existe a possibilidade de se envolver num trabalho terapêutico com profissionais de saúde mental. 

Conclusão e formas de evitar o esgotamento dos ativistas 

Todos os ativistas que enfrentam situações de insatisfação, stresse, sobrecarga não perdem a saúde. O esgotamento não é automático. Os defensores da psicodinâmica do trabalho, como Christophe Dejours, também criticam a abordagem em termos de “fatores de risco” que pressupõem que poderíamos medi-los e prever o momento da descompensação (por acumulação). Segundo eles, o trabalho é sempre arriscado e, diante disso, todos encontram acomodações (individuais e coletivas), criam suas defesas para enfrentar o sofrimento que surge no quotidiano do trabalho. E enquanto essas defesas durarem, não haverá esgotamento . 

No entanto, segurar não rima com realização. Isso pode alimentar uma certa “infelicidade militante”16. Diante disso, como mostra o sociólogo Doug McAdam, alguns “desvinculam-se”17, vão para outras organizações ou simplesmente saiem. Outras vezes, toda a organização é desmobilizada. Uma situação que comove Frédéric Amiel, ativista comunitário e membro do sindicato Asso, que escreve em reação à primeira versão deste texto: 

“O que chama a atenção é que todos acomodam essas renúncias em massa, essa rotatividade. O mundo militante aceita sem questionar que as pessoas se queimam por 3 a 5 anos antes de desaparecer. De fato, as organizações ativistas “consomem” ativistas e se organizam para operar dessa forma (utilização de contratos a prazo, operação por projeto, encurtamento de prazos de planejamento, des-especialização de funções, etc.). Apenas consideramos que aqueles que desapareceram “não duraram”. » 

Então, como fazer melhor? Como evitar que organizações onde ativistas se comprometem pelos outros o façam em detrimento de sua própria saúde? Como atiçar o fogo revolucionário sem transformá-lo em brasas? Como vimos, as respostas encontram-se em parte no trabalho sobre o burnout , que diz essencialmente respeito ao mundo do trabalho assalariado, cujos resultados e conselhos podem ser parcialmente transpostos para o mundo militante. O leitor interessado encontrará muitos artigos no site do Instituto Nacional de Investigação e Segurança (INRS) – https://www.inrs.fr/ –  ou da Agência Nacional para a Melhoria das Condições de Trabalho (ANACT) – https://www.anact.fr/ . 

O mundo militante também produz reflexões e recomendações. Além das organizações e recursos citados na introdução, o livro Mutual Aid , publicado em 2020 pelo advogado e ativista trans americano Dean Spade, apresenta seis princípios organizacionais (que são todos recomendações) a serem seguidos. A primeira é priorizar as questões internas. Não devem ser adiadas para “mais tarde”, porque têm consequências para a saúde dos ativistas e também na eficácia do grupo. Para lidar com esses problemas, eles incentivam as estruturas a não hesitar em suspender suas atividades. A segunda é garantir que as novas pessoas que ingressam no grupo sejam bem-vindas, tenham uma formação completa e sejam treinadas para poderem participar plenamente das tomadas de decisão. A terceira é estabelecer mecanismos para avaliar a carga de trabalho e reduzi-la. A quarta para construir o convívio, que as pessoas construam relacionamentos e não estejam ali apenas para o trabalho militante. O quinto princípio é garantir que a animação das reuniões seja rotativo, incluindo o desenvolvimento da agenda. A ideia é melhorar a transparência da organização, mas também maximizar a participação de todos os membros e evitar que uma pessoa monopolize a discussão e/ou o poder. Por fim, a sexta e sua última recomendação é discutir a “cultura do excesso de trabalho” das organizações ativistas, a dinâmica e os comportamentos que a alimentam. 

É claro que, sendo os burnouts fruto da organização do trabalho militante, é preciso que as estruturas militantes se preocupem com o bem-estar de seus integrantes, dediquem tempo a esse assunto, gerem discussões e feedbacks. É preciso que o coletivo coopere18, encontre soluções coletivas ajustadas às especificidades do grupo e desenvolva as suas defesas. Não será fácil, em particular, encontrar tempo para dedicar a este problema para os ativistas que estão comprometidos com questões prementes (ecológica, crise social, etc.). Mas dedicar tempo agora “pela causa” também significa ganhar tempo: significa dar a si mesmo os meios para construir organizações eficazes a longo prazo e para preservar sua força vital. 

 

 

1 Emma Donada, « Anaïs Bourdet, burnes out », Libération, 4 juillet 2019. 

 

2 Voir le site internet (www.payetonburnoutmilitant.fr ) où une militant.e a rassemblé des ressources sur le sujet. 

 

3 Une liste non exhaustive est disponible sur le site internet www.activist-trauma.net/fr/links.html. 

 

4 Joan Tilouine, « Mort de Gaëtan Mootoo : le rapport d’enquête pointe “des défaillances” au sein d’Amnesty », Le Monde, 4 décembre 2018. 

 

5 Paul Boulland, « Le burn-out des militant·es », Politis, 5 février 2020. 

 

6 H. J. Freudenberger. « Staff burn‐out », Journal of social issues, 30, 1974, p. 159-165. 

 

7 C. Maslach, M. Gomes, « Overcoming burnout », in R. MacNair (ed.), Working for peace. A handbook of practical psychology and other tools, Oakland, Impact Publishers, 2006, p. 43-49. 

 

8 Voir « Ma cité s’organise. Community organizing et mobilisations dans les quartiers populaires », Mouvements, 85, 2016. 

 

9 M. Gomes. « The Rewards and Stresses of Social Change: A Qualitative Study of Peace Activists », Journal of Humanistic Psychology, 32, 1992, p. 138-146. 

 

10 O. Fillieule, C. Brocca, « La défection dans deux associations de lutte contre le sida : Act Up et AIDES », in O. Fillieule (dir.), Le désengagement militant, Paris, Belin, 2005, p. 198-199 

 

11 C. W. Chen, P. C. Gorski, « Burnout in Social Justice and Human Rights Activists: Symptoms, Causes and Implications », Journal of Human Rights, 7/3, 2015. 

 

12 K. Rodgers, « “Anger is why we’re all here”: Mobilizing and managing emotions in a professional activist organization », Social Movement Studies, 9, 2010, p. 273-291. 

 

13 S. Cottin–Marx, C’est pour la bonne cause. Les désillusions du travail associatif, Paris, L’Atelier, 2021. 

 

14 S. Cottin–Marx, « Les relations de travail dans les entreprises associatives. Salariés et employeurs bénévoles face à l’ambivalence de leurs rôles », La revue de l’IRES, 101-102, 2020. 

 

15 R. Lefebvre, « Le malheur des militants de la gauche du PS », in O. Fillieule, C. Leclercq, R. Lefebvre (dir.), Le malheur militant, Louvain-la-Neuve, Deboeck, 2022, p. 233. 

 

16 O. Fillieule, C. Leclercq, R. Lefebvre, Le malheur militant, op. cit. 

 

17 D. McAdam, « Pour dépasser l’analyse structurale de l’engagement militant », in O. Fillieule (dir.), Le désengagement militant, op. cit., p. 67. 

 

18 S. Cottin–Marx, S. Le Lay, « Il faut une théorie de la coopération, du travail vivant individuel et collectif. Entretien avec Christophe Dejours », Mouvements, 106, 2021, p. 27-40. 

 

 

Image By vecstock


Partilhar

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Lear mais..